Alguns dias após retornar da última missão, Tess convoca o grupo de vocês para uma conversa em uma das salas de reunião. A líder da Agência aguarda em silêncio enquanto vocês ocupam seus lugares na sala apertada.

Tess parece preocupada. De repente, ela levanta suas mãos e começa a mover um dedo pelo ar, em movimentos curtos e repetitivos, que lentamente fazem aparecer algo formado de brilhantes pérolas azuladas. Os sons na sala tornam-se gradualmente mais abafados, quase como se estivessem sendo apagados.

Para fins de dramatização, entregue este dispositivo para a pessoa que estiver jogando com a Tess para que o texto abaixo seja lido em voz alta. Se Tess não estiver na partida, escolham outra pessoa para a leitura.

— Estamos em uma bolha de isolamento temporal porque o que tenho a revelar deve permanecer apenas entre nós. Guardei esse segredo por meses, mas não posso mais fazer isso: tenho que falar com vocês sobre o desaparecimento da Agência T.I.M.E de novo. Naquela época, eu pensei que era a única que poderia lidar com isso. Pensei que era a única que conseguiria fazer com que essa tentativa de reerguer a Agência desse certo, esse único elo capaz de salvar a humanidade. Fui treinada como um soldado e guiada por projeções de táquion extremamente precisas, e fui capaz de salvar a Agência recuperando os cubos de agentes que os traziam de volta consigo de suas missões. Se não fosse por esses agentes anônimos – ou “jogadores”, como nós os chamamos – nada teria ressurgido das cinzas. E esses jogadores... Eu os abandonei.

Eu não consegui me lembrar logo de cara: primeiro, achei que os estava parabenizando e que eles tinham viajado conosco. Mas, nos últimos dias, alguns fragmentos de memória começaram a voltar. A imagem do rosto deles, tão aturdidos, permanece gravada em minha mente. É como se alguém tivesse me feito de marionete... Não consigo aguentar essa culpa. Tenho um palpite de que seja lá o que tenha acontecido naquele momento é o ponto crucial de nossa história. Não temos outra escolha a não ser voltar para lá.